Agilidade e Inteligência Emocional!

O desenvolvimento da Inteligência Emocional é o caminho para sobreviver ao mundo VUCA, ao IoT, à Indústria 4.0 e à Gestão Ágil de Projetos.




#luseluque Agilidade e Inteligência Emocional! comportamento soft skills Luciana Seluque


Precisamos falar sobre Agilidade e Inteligência Emocional! O PMI Pulse of the Profession® de 2015 afirma que agilidade é a capacidade de se adaptar diligentemente para obter vantagem competitiva!

Em outras palavras, a agilidade organizacional é a capacidade de mudar rapidamente em resposta às condições do mercado ou a outros fatores externos, novos concorrentes, tecnologias emergentes, demandas de clientes e mudanças súbitas econômicas e sociopolíticas.

O PMI vai além e comenta que as organizações ágeis sabem que as habilidades técnicas dos gerentes de projeto, programa e portfólio NÃO são o suficiente no mercado global cada vez mais complexo e competitivo e que para sobreviver a este ambiente é MANDATÓRIO desenvolver competências comportamentais como flexibilidade, adaptabilidade, resiliência, tolerância a mudanças, engajamento, colaboração, diversidade, liderança, integridade, transparência,  comunicação, escuta ativa, iniciativa, confiança, comprometimento, inovação, criatividade, pensamento crítico, disciplina, tomada de decisão entre outras.

E oficializa isso na página 347 do Guia PMBOK 6ª Edição dizendo: O gerente de Projetos DEVE desenvolver Inteligência Emocional!

Continuando nessa linha, o PMI sugere o conjunto de habilidades ideais, o PMI® Talent Triangle ™, que nada mais é do que a combinação de conhecimento técnico, de liderança, de gestão estratégica e de negócios. E como é que desenvolvemos as competências comportamentais? Como ser emocionalmente ágil?

No livro Agilidade Emocional a psicóloga e professora da Harvard Susan David, descreve que a Agilidade Emocional significa a reflexão e o equilíbrio entre o sentimento e a reação. Ela afirma que a Inteligência Emocional, apesar de ser explorada de forma extensa, ainda é pouco desenvolvida pelas pessoas.

De acordo com Susan David, ser emocionalmente ágil é ter consciência de suas próprias emoções! Ela cita alguns conceitos para encontrarmos agilidade emocional; são eles:

1.  Aparecer: Identifique seus pensamentos e sentimentos para vivê-los da forma que realmente são;
2.  Sair: Identifique suas emoções e entenda que elas estão relacionadas a você, mas não são você;
3.   Andar o seu porquê: Identifique os seus valores, eles são a sua força motriz;
4.  Seguir em frente: Não seja complacente com você; busque mudanças, ajustes propositais em sua mentalidade, motivação e hábitos para alinhá-los com seus valores fundamentais.

Termino o texto de hoje reforçando a importância da Inteligência Emocional e convidando a todos a valorizá-la, utilizá-la ao máximo e adicioná-la às nossas competências técnicas.

Na minha humilde opinião, o desenvolvimento da Inteligência Emocional é o caminho para sobreviver ao mundo VUCA, ao IoT, à Indústria 4.0 e à Gestão Ágil de Projetos.

Paz e bem,
Lu Seluque